Diante da vasta repercussão da crise mais recente da população Yanomami, parte da comunidade jurídica, de forma tardia e constrangida, começa a balbuciar: "agora sim, talvez...". Como se indícios e até provas da destruição em curso já não fossem oferecidos pelos indígenas há tantos anos