Uma das maiores vítimas da destruição da Volta Grande do Xingu conta o cotidiano de morte de sua espécie à jornalista-rio Sara Lima